Posts

Como corrigir a orelha de abano no recém – nascido? É possível?

Muitos pais ficam aflitos quando percebem que seus bebês nasceram com orelha de abano. A preocupação da questão estética está relacionada a possibilidade do bullying na infância.

Mas existe um método de correção desse problema no recém – nascido?

Sim, meus queridos! Mas isso vai depender do grau de “abertura” (afastamento) da orelha em relação ao crânio. Em geral, as alterações mais intensas necessitam de correção cirúrgica, entretanto em casos leves a moderados, existe uma moldagem de silicone passível de ser realizada no recém-nascido com índices de correção de até 90%.

Esse tipo de moldagem deve ser iniciada até a 3ª semana de vida, quando o corpo do bebê ainda está sob efeito maior dos hormônios maternos e a região ainda é moldável. O tratamento costuma durar de quatro a seis semanas e deve ser realizado sob a supervisão de um cirurgião plástico. Infelizmente, ainda não é um método completamente acessível em nosso país, por ter um custo relativamente elevado.

Embora existam métodos mais artesanais que podem ser tentados, com a moldagem da região com algodão e curativos de fixação, mesmo esses métodos mais “simples” devem sempre ser acompanhados por um profissional e não tentado pelos pais sozinhos em casa de maneira Tabajara. O uso incorreto de esparadrapos e outros apetrechos na tentativa de corrigir a alteração podem ferir a fina pele do bebê e até predispor a infecções.Mesmo o uso de faixas (muito comum na cultura popular) deve ser criterioso e utilizado somente quando a criança está sendo observada, pois a faixa pode descer da cabeça pro nariz e sufocar a criança, principalmente na hora do sono.

Agora, se você não mexeu ou não quer mexer nas orelhinhas do seu bebê enquanto ele é novinho com moldagens, tudo bem, mas é importante saber que uma possível cirurgia corretiva só é passível de ser realizada após os 7 anos de idade, quando o desenvolvimento da orelha estará completo e a cirurgia não influenciará no tamanho final da orelha.

E se a orelha de abano não incomoda os pais e nem a criança? Então, deixa pra lá! Toda cirurgia deve ter uma motivação que faça valer a pena, sempre pensando em promover uma melhor qualidade de vida, que se traduz em saúde.

É isso, pessoal!Espero que tenham gostado!
Ficou alguma dúvida? Converse com sua cirurgiã plástica!

Se você se queixa que o seu olhar parece cansado ou triste, este texto é para você.

Se você se queixa que o seu olhar parece cansado ou triste, ou se ouve com frequência das pessoas: “Nossa, você não dormiu? parece tão cansada…”, esse texto definitivamente é para você.

Os olhos são uma região central da face, impossível de não ser notada quando interagimos com alguém. Por isso que as alterações nessa  região se fazem tão perceptíveis com o passar dos anos.

Faz parte do processo de envelhecimento desenvolvermos um excesso de pele em pálpebras, bem como tornam-se visíveis e salientes as bolsinhas de gordura nessa região. Também é bastante comum ficarmos com uma depressão abaixo do contorno das pálpebras inferiores, deixando aquela olheira que você quase nem tinha antes agora mais marcada… isso sem falar que as sobrancelhas vão “caindo” e assumindo uma posição mais baixa que outrora. Mas calma, menina/rapaz…nada que não possa ser melhorado com todos os recursos disponíveis no campo da cirurgia plástica hoje! Afinal o cuidado e o amor próprio são para sempre não é mesmo? E é claro que se sentir bem consigo mesma(o) faz parte desse cuidado!

A blefaroplastia é a cirurgia que promove a remoção do excesso de pele e bolsas de gordura dessa região (tanto em pálpebras superiores como inferiores), promovendo um efeito  rejuvenescedor nessa área. As cicatrizes são posicionadas de modo a passarem despercebidas após a cirurgia, dentro da dobrinha da pálpebra superior ou rente aos cílios da pálpebra inferior.

Embora retire o excesso de pele e bolsinhas de gordura da região, a blefaroplastia não retira as rugas da pele, tampouco repõe o volume perdido com o envelhecimento (e que vai deixando aquela olheira mais marcada). Por isso, esse procedimento pode ser complementado com outros tratamentos não cirúrgicos para otimizar os resultados. Assim, se a queixa também é aquelas ruguinhas tipo “pés-de-galinha”, o botox ou a toxina botulínica pode ser um excelente recurso auxiliar, porque além de suavizar ruguinhas, pode “levantar o olhar” e arquear as  sobrancelhas (pois é!).

Agora se você acha que aquela olheira tá beemm marcada ou “afundou” mais ainda,os preenchedores de ácido hialurônico podem repor volume e hidratar naturalmente as regiões deprimidas, devolvendo aquele turgor da pele mais jovem.

Viu como a gente tem várias opções? Agora não tem desculpas pra não ficar com aquele olhar 43…louco por você!

Converse com sua cirurgiã plástica!