Posts

Dra, feijoada pode?

Você fez um jejum de 12h antecedendo a sua cirurgia (inclusive de água!) e “acorda” da anestesia sentindo fome. E agora? Como deve ser a alimentação no pós-operatório? O que está liberado? Feijoada pode? Essas são dúvidas muito comuns de nossas pacientes no cotidiano cirúrgico.

Dependendo da anestesia e do porte da cirurgia, uma dieta mais leve estará indicada no primeiro dia (sopa, água, gelatina, bolachas, chá, frutas), respeitando um intervalo de tempo após o término do procedimento, afim de que a(o) paciente esteja completamente acordada(o) antes de iniciar a alimentação. A alimentação deve ser iniciada de forma progressiva, com quantidades crescentes de líquidos e, em seguida, de sólidos, pois podem surgir náuseas nas primeiras 48h.

Sempre digo às pacientes que devem seguir uma alimentação “saudável” no pós-operatório, para repor as perdas do intra-operatório, diminuir o inchaço, facilitar o trânsito intestinal e auxiliar uma cicatrização adequada. Para isso, algumas dicas são fundamentais:

-Beber bastante água (no mínimo, 8 copos por dia): para compensar a perda de líquidos, hidratar o organismo e diminuir o inchaço; nesse sentido, a água de coco, rica em nutrientes também pode ser utilizada; Refrigerante não vale para hidratar (além de dar gases), tampouco os sucos artificiais/ de caixinha/ pacote (esses têm mais açúcar que os refris); dê preferência aos sucos naturais com moderação.

-Evitar a ingestão excessiva de sal, para que o sódio presente em sua composição e responsável pela retenção de líquido, não piore o inchaço; cuidado nesse sentido com os embutidos, defumados e molhos prontos;

-Evitar alimentos fermentativos que piorem os gases: é natural uma lentificação do trânsito intestinal após a cirurgia, com a retenção de gases, o que pode piorar com a ingesta de alimentos fermentativos; feijão, lentilha, grão-de-bico, repolho e massas são exemplos destes que podem intensificar o inchaço da barriga, gerando dor e desconforto abdominal, principalmente nos primeiros dias;

-Evitar bebidas alcoólicas, principalmente no primeiro mês de pós-operatório, para que não ocorra maior retenção líquida, com piora do inchaço pós-operatório; além de se tratar de fonte de caloria vazia (só engorda, sem trazer nutrientes relevantes para o organismo);

-O consumo de camarão deve ser evitado principalmente nos primeiros 21 dias: pois é!e isso não é só um mito popular (já existem estudos)! Esse alimento contém substâncias que estimulam um estado pró-inflamatório da pele, o que pode não só atrapalhar a cicatrização, mas também estimular a formação de quelóides e cicatrizes hipertróficas/altas; Alimentos ricos em acúcares e gorduras trans, como doces, salgadinhos, sorvetes, biscoitos recheados, fast food, congelados e carnes gordas também são patrocinadores da inflamação e devem ser evitados;

-Alimentos ricos em vitamina C, como frutas cítricas (laranja, morango, acerola, kiwi), brócolis, espinafre, tomate e pimentão, são essenciais a formação de colágeno e a cicatrização, além de reforçar o sistema imunológico;

-As carnes brancas e as vermelhas magras contém proteínas, ferro e zinco (também presente em castanhas e nozes), que auxiliam a formação de colágeno e a cicatrização;

Lembrando sempre que a cirurgia plástica deve ser sempre encarada não como uma solução mágica, mas como parte de um programa de vida saudável, que certamente incluirá uma alimentação equilibrada e prática de atividades físicas, visando não só a beleza física, mas sobretudo saúde e qualidade de vida!

Ainda restam dúvidas? Converse com sua cirurgiã plástica!